ReutersReuters

Meta de produção de petróleo reduz capacidade em caso de crise, diz chefe da Opep

Os cortes nas metas de produção de petróleo acordados pelos produtores da Opep+ deixarão mais oferta para aproveitar no caso de qualquer crise, disse o secretário-geral da Opep, Haitham al-Ghais, à TV Al Arabiya nesta sexta-feira.

A Opep+, que inclui os 13 membros da Opep e 10 aliados liderados pela Rússia, concordou na quarta-feira em reduzir sua meta de produção em 2 milhões de barris por dia.

A Arábia Saudita, líder de fato da Opep, disse que a medida é necessária para responder ao aumento das taxas de juros no Ocidente e a uma economia global mais fraca.

A decisão foi criticada pelos Estados Unidos, onde a Casa Branca disse que era um sinal de que o grupo estava se alinhando com a Rússia.

"Esta não foi uma decisão de um país contra outro, e quero ser claro ao dizer isso, e não é uma decisão de dois ou três países contra um grupo de outros países", disse Ghais.

"Há fortes indicadores de que há uma grande possibilidade de que a recessão aconteça, decidimos nesta reunião ser preventivos."

As sanções da União Europeia sobre petróleo e derivados russos também devem entrar em vigor em dezembro e fevereiro, respectivamente.

Questionado sobre as sanções e uma proposta da União Europeia para limitar o preço do petróleo russo, Ghais, da Opep, disse que não poderia comentar.

"A verdade é que a forma dessas sanções propostas não é muito clara, e como elas serão implementadas também não é clara, então não podemos comentar".

Ghais também disse que a Opep + não visa preços: "Não estamos visando um preço, estamos visando um equilíbrio entre oferta e demanda".

(Por Nadine Awadalla e Maha El Dahan)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447500)) REUTERS BC MN

Join for free to get the full story
News unlock banner