ReutersReuters

Grupo Violas Ferreira compra sede da líder mundial do setor do azeite

O edifício que alberga a sede da Sovena, que se apresenta como líder mundial no mercado do azeite, mudou de mãos, tendo sido vendido pela MelloRDC, através da sua participada Arquimelo, ao Grupo Violas Ferreira. Trata-se de um ativo que se encontra no parque de escritórios Arquiparque, em Miraflores, às portas de Lisboa, e que tem cerca de 3.500 metros quadrados (m2) de escritórios distribuídos por seis pisos, aos quais se somam 62 lugares de estacionamento. De referir que a Sovena ocupa este imóvel desde 2012, tendo contrato de arrendamento vigente até 2030.

A operação foi mediada pela JLL e pela CBRE, que foram mandatadas pelo proprietário para lançar, gerir e concluir o processo de alienação do imóvel, num mandato co-exclusivo, referem as consultoras em comunicado. O valor da transação não é, no entanto, divulgado.

“A Violas Ferreira Sicafi Especial, SA teve origem sob a designação social de III – Investimentos Industriais e Imobiliários SA em 1969, fundada por Manuel de Oliveira Violas e é, atualmente, um Family Office autogerido de investimentos imobiliários, focado na área de escritórios, mas também com presença no residencial, retalho e logística”, lê-se na nota.

"Um imóvel com uma arquitetura muito fléxivel e funcional"

Citado no documento, Tiago Violas Ferreira, CEO da Violas Ferreira, destaca o facto de juntar ao portefólio do grupo “a sede de um líder mundial no seu setor de atividade, sendo também um grupo familiar português com valores” com que a Violas Ferreira se identifica. “Por outro lado, trata-se de um imóvel com uma localização excelente, em ótimas condições e com uma arquitetura muito flexível e funcional”, acrescenta.

Já a MelloRDC, referem as consultoras, é um Family Office detido por António Ribeiro da Cunha, que opera maioritariamente no setor imobiliário em Portugal e na Polónia, tendo também investimentos na área agroindustrial e private equity.

Este é mais um negócio “que é um ótimo exemplo de que, apesar do contexto de maior incerteza” que se vive, “o setor imobiliário, e sobretudo os ativos core com inquilinos de grande notoriedade com compromisso de longo prazo com os ativos, continuam a ser oportunidades de investimento muito atrativas”, salienta Nuno Nunes, Head of Capital Markets da CBRE.

Escrito por Redação - idealista/news

Join for free to get the full story
News unlock banner