ReutersReuters

Novo Banco olha IPO entre planos para se manter independente

O Novo Banco deve estar pronto para aproveitar a oportunidade de uma Oferta Pública Inicial (IPO), quando os mercados se abrirem para as entradas em bolsa, uma vez que procura manter-se independente, disse o seu novo CEO, Mark Bourke, à Reuters, esta terça-feira.

Analistas especularam que o Novo Banco, que emergiu das ruínas do Banco Espírito Santo em 2014 e é controlado pelo fundo americano de 'private equity' Lone Star, poderia fundir-se com outro banco que pretendesse consolidar a sua posição em Portugal.

Mas Bourke, que tomou posse em Agosto, disse que "Portugal não é como alguns dos países do norte da Europa, que estão massivamente 'sobre-bancarizados'", uma vez que os cinco maiores bancos neste mercado possuem 80 a 85% dos activos bancários, um elevado nível de concentração.

O Novo Banco é agora "um banco rentável e bem capitalizado que pode realmente competir, resistir, permanecer independente no mercado português e pode investir e expandir-se", disse ele.

O banco deve aproveitar o seu historial de recuperação e "estar pronto quando e se surgir a oportunidade de um IPO para tirar partido dela", disse

Bourke, que tinha sido director financeiro desde 2019, não disse onde o banco poderia procurar ser cotado, embora as empresas portuguesas normalmente escolham a Euronext Lisbon.

LIMPEZA MACIÇA DO CRÉDITO MALPARADO

Desde que a Lone Star comprou a sua participação de 75% em 2017, o Novo Banco tem-se concentrado na redução de riscos, no encerramento de operações no estrangeiro, no corte do crédito malparado e de real estate sob duros compromissos de reestruturação acordados com Bruxelas. O Fundo de Resolução de Portugal ficou com os restantes 25% de participação.

Os empréstimos não produtivos (NPL) caíram para 1,6 mil milhões de euros ($1,60 mil milhões), ou 5% do crédito total, em Setembro de 2,2 mil milhões um ano antes. Em 2017, os seus NPL eram 10,1 mil milhões ou 28% do total de empréstimos.

"A maior parte do trabalho está feita. Mas temos de olhar para a média europeia, que se situa na faixa dos 2,5 a 3%... a curto e médio prazo", disse Bourke.

O lucro líquido dos primeiros nove meses do Novo Banco quase triplicou para 428 milhões de euros, graças à melhoria dos rendimentos das comissões, dos ganhos do mercado de capitais e de uma queda acentuada das imparidades e provisões.

"Este foi o sétimo trimestre consecutivo de lucro. Podemos gerar 80 a 100 pontos base de capital através do resultado subjacente por ano - o que significa que controlamos o nosso próprio destino", disse Bourke.

Embora a margem financeira dos primeiros nove meses, ou 'earnings' com empréstimos menos custos de financiamento, tenha caído 5,6%, devido aos custos de financiamento mais elevados da emissão de dívida sénior e outros factores, a margem financeira aumentou 2,5% entre Julho e Setembro em relação aos três meses anteriores, beneficiando de aumentos de taxas por parte do Banco Central Europeu.

A taxa média da margem financeira foi de 1,29%, mas o impacto da reavaliação em alta das carteiras deverá ocorrer no quarto trimestre e o Novo Banco deverá terminar o ano "bem acima de 1,5%", o limite superior do seu intervalo de previsão, disse.

($1 = 0,9998 euros)

Join for free to get the full story
News unlock banner