ReutersReuters

Desemprego na Rússia atinge mínima recorde e dados econômicos pintam quadro misto

A taxa de desemprego da Rússia caiu para uma mínima recorde de 3,8% em agosto, mas os salários nominais médios dos russos recuaram em termos mensais e a inflação semanal voltou a marcar presença, pintando um quadro geral misto da saúde econômica do país.

Após 11 semanas consecutivas de deflação e pela primeira vez desde o início de maio, os preços ao consumidor russo subiram na semana até 26 de setembro. Esse aumento ocorre menos de duas semanas depois que o banco central cortou sua taxa básica para 7,5%, mas sugeriu que ciclo de afrouxamento monetário pode acabar em breve.

A economia dependente de exportação da Rússia está mergulhando em uma recessão, atingida por amplas sanções ocidentais em resposta ao que Moscou chama de "operação militar especial" na Ucrânia. Mas a profundidade da contração até agora não foi tão grande quanto se pensava inicialmente.

O número de desempregados na Rússia caiu para 3,8% da força de trabalho em agosto, o menor patamar desde que o serviço de estatísticas começou a publicar esse indicador, em 1992, segundo o banco de dados do Eikon.

As vendas no varejo, indicador da demanda do consumidor, que é o principal motor do crescimento econômico da Rússia, caíram 8,8% em agosto, ficando abaixo da previsão de analistas de queda de 8,5% em pesquisa da Reuters.

Rosstat também disse que os salários reais na Rússia caíram 3,2% em julho sobre o mesmo período de 2021, a mesma queda do mês anterior. Analistas consultados pela Reuters esperavam que os salários reais, ajustados pela inflação, cairiam 5,2% em julho.

(Por Alexander Marrow)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447723))

Join for free to get the full story
News unlock banner