ReutersReuters

Órgão da Indonésia diz que proibição de exportação de óleo de palma pode terminar em maio

A Indonésia deve ser capaz de lidar com a escassez de óleo de cozinha nas próximas semanas e suspender a proibição de exportação de óleo de palma e seus produtos refinados em maio, disse um órgão do setor nesta quinta-feira, um dia depois que as vendas externas ficaram mais limitadas, deixando todo o mercado em alerta.

O maior produtor de óleo de palma do mundo expandiu a proibição de exportação de matérias-primas para óleo de cozinha, para incluir embarques de óleo de palma bruto e a maioria de seus produtos refinados poucas horas antes da medida entrar em vigor, à meia-noite de quarta-feira, em uma tentativa de garantir o fornecimento doméstico e reduzir a alta preços.

Sahat Sinaga, funcionário do Conselho de Óleo de Palma da Indonésia, disse que a decisão chocou a indústria, mas que estava confiante de que a questão da oferta poderia ser resolvida pouco depois do festival muçulmano de Eid al-Fitr, no início de maio.

Ele acrescentou que uma meta de exportação de óleo de palma de 34 milhões de toneladas em 2022 seria cumprida.

Questionado sobre o cronograma sugerido pelo Conselho de Óleo de Palma, o funcionário do Ministério do Comércio, Veri Anggrijono, disse que "todos esperamos que isso possa ser resolvido rapidamente".

Um regulamento do Ministério do Comércio na quarta-feira disse que a política de exportação seria revisada mensalmente, ou com a frequência necessária, enquanto o chefe de economia do ministério, Airlangga Hartarto, disse que a política poderia ser retirada quando o óleo de cozinha a granel recuar para 14.000 rúpias (0,97 dólares) por litro em todo o país.

O óleo foi vendido por 19.000 a 20.000 rúpias o litro nos mercados de Jacarta na quinta-feira.

Medidas anteriores para domar os preços falharam devido a problemas de distribuição, não à escassez de fornecimento nas fábricas, disse Sinaga, mas ele expressou confiança na atribuição do governo da agência de compras de alimentos Bulog e outras empresas estatais para lidar com a distribuição.

(Reportagem de Fransiska Nangoy e Bernadette Christina; reportagem adicional de Stefanno Sulaiman, Gayatri Suroyo e Zahra Matarani)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447745))

Join for free to get the full story
News unlock banner