ReutersReuters

Evergrande quer aval para propostas de reestruturação de dívida no início de 2023

A incorporadora imobiliária China Evergrande 3333 pretende obter a aprovação dos credores para suas propostas de reestruturação de dívida até o final de fevereiro, disseram os advogados da empresa nesta segunda-feira.

A Evergrande, que já foi a incorporadora líder de vendas na China, agora está no centro da crise imobiliária do país. A dívida offshore de 22,7 bilhões de dólares da companhia, incluindo empréstimos e títulos privados, é considerada inadimplente após pagamentos não cumpridos no final do ano passado.

Com poucas novas opções de financiamento e diante da desaceleração das vendas de imóveis, a Evergrande, que tem 300 bilhões de dólares em passivos totais, iniciou um dos maiores processos de reestruturação de dívida da China em 2022.

O grupo espera acordar as propostas de reestruturação da dívida até o final de fevereiro ou início de março, disseram advogados da incorporadora a um tribunal de Hong Kong, que adiou um processo de liquidação contra a incorporadora para 20 de março de 2023.

A Reuters informou no início deste mês que a Evergrande assinaria acordos de confidencialidade com os detentores de títulos em novembro para se preparar para as negociações em dezembro, com termos a serem finalizados no início do próximo ano, citando uma fonte com conhecimento do assunto.

Um investidor da Fangchebao (FCB), um marketplace de imóveis e automóveis da Evergrande, entrou com a petição de liquidação contra o incorporadora em junho, argumentando o grupo não honrou um acordo para recomprar as ações adquiridas pelo investidor na FCB.

A Evergrande e seu grupo de credores offshore expressaram oposição à petição, dizendo que a empresa estava avançando ativamente com o trabalho de reestruturação da dívida offshore no interesse de todos os credores.

Durante a audiência desta segunda-feira, a juíza Linda Chan disse que a Evergrande precisará transmitir "algo muito mais concreto" sobre seu processo de reestruturação de dívidas até a próxima audiência. Ela instruiu a incorporadora a arquivar um relatório de atualização do processo 14 dias antes da próxima audiência.

Como parte das opções que estão sendo consideradas para a proposta de reestruturação, a Evergrande avalia oferecer ativos na China como um adicional para garantir a aprovação dos credores offshore, disseram fontes à Reuters.

No que poderia lançar uma sombra sobre esse plano, um documento público mostrou no sábado que um terreno de propriedade de Evergrande foi adquirido por uma empresa estatal em Shenzhen por 7,5 bilhões de iuans (1,04 bilhão de dólares).

Um porta-voz da Evergrande não comentou.

(Reportagem adicional de Shuyan Wang)

((Tradução Redação São Paulo))

Join for free to get the full story
News unlock banner