mendstrader

Dólar Batera R$ 6.00 e inclinação da curva de juros aumentará.

Viés de alta
BMFBOVESPA:WDOG2021   MINI US DOLLAR FUTURES
Os prêmios de risco na curva de juros vão aumentar e o dólar baterá 6 reais, preveem estrategistas do Société Générale (PA:SOGN), acreditando que os mercados devem esperar por mais deterioração fiscal no Brasil.

De acordo com relatório do banco divulgado nesta sexta-feira, o câmbio sofrerá com lento crescimento econômico, deterioração dos cenários fiscal e de dívida e baixos juros. O noticiário sobre vacinas é positivo, mas pode levar tempo até que o imunizante esteja disponível a todos, num contexto em que os casos de Covid-19 no país estão em alta.

"Além disso, (Jair) Bolsonaro perdeu capital político nas eleições municipais de novembro, e a baixa visibilidade antes das eleições no Congresso em fevereiro tem prejudicado o cenário para reformas no curto prazo", disse o banco francês.

O Société Générale entrou com recomendação de compra de dólar ante o real em 2 de dezembro, com a moeda a 5,22 reais. A meta é de 6,0 reais, com "stop" em 4,90 reais.

O dólar era cotado a 5,2712 reais nesta sexta-feira.

Em 11 de dezembro, o banco iniciou recomendação de alta na inclinação da curva de DI entre os vencimentos janeiro de 2027 e janeiro de 2022, com ponto de entrada em 377 pontos-base, "target" de 540 pontos-base e "stop" em 320 pontos-base. O spread estava em 380,50 pontos-base nesta sexta.

O banco notou que a curva longa seguia pressionada por fracas perspectivas fiscais e de dívida, enquanto o trecho curto se mantinha ancorado pelo Banco Central, que deve manter a Selic na mínima recorde de 2% "pelo menos" ao longo do primeiro semestre, "devido ao amplo hiato negativo e com questões de oferta que afetam a inflação chegando ao fim".

"A chance de o Banco Central subir os juros no curto prazo não passa de zero", disse o Société, afirmando que, no mercado, as apostas são de que o Copom começará a elevar a Selic no primeiro trimestre, chegando ao fim do ano com um total de 350 pontos-base de acréscimo.

Os estrategistas do banco francês entendem que, com o Brasil enfrentando uma segunda onda de Covid-19 e a incerteza sobre a disponibilidade de vacinas para a população e se as pessoas querem se vacinar, aumentou o risco de outra "profunda desaceleração econômica e de mais estímulos do que menos", o que coloca em risco o teto de gastos.

"Consequentemente, os investidores deveriam esperar deterioração adicional das contas públicas. Enquanto isso, prevemos que a relação dívida/PIB ficará em torno de 100% em 2021", disse a equipe de estratégia para mercados emergentes do Société, chefiada por Jason Daw.

Comentários

Início Rastreador de Fundamentos Rastreador Forex Rastreador de Criptomoedas Calendário Econômico Como Funciona Recursos gráficos Preços Indique um Amigo Regras da Casa Central de Ajuda Soluções para Sites & Corretoras Widgets Soluções em Gráficos Biblioteca de Gráficos Lightweight Blog & Notícias Twitter
Perfil Configurações de perfil Conta e Cobrança Amigos indicados Moedas Meus Tíquetes de Suporte Central de Ajuda Mensagens Privadas Conversa Deslogar