Frederico_FXAnalyst

A breve história do maior crash de sempre do petróleo

TVC:USOIL   CFDs em Petróleo Bruto WTI
Desde o início da propagação do novo coronavírus é possível observar os preços do petróleo a caírem substancialmente. A Arábia Saudita cortou os seus preços de venda de petróleo e aumentou a produção depois de a Rússia se ter recusado a aderir ao seu plano de reduzir ainda mais a produção e aumentar os preços no início de março. Os russos acabaram por retaliar e os dois países inverteram o rumo da política petrolífera e caminhavam para ter uma maior quota de mercado. Com isto, todos saíam penalizados sendo os Estados Unidos claramente afetado uma vez que a sua produção deixaria em grande parte de ser economicamente viável com os preços abaixo dos 50 dólares por barril.

Há duas semanas atrás foi então realizado um alargado acordo de corte de produção – equivalente a uma redução de 10 milhões de dólares por barril - tendo sido o maior da história. No entanto, os preços do petróleo continuam a cair, uma vez que os investidores não estão convencidos de que os cortes são suficientes para contrariar a destruição da procura provocada pelo vírus. Esta falta de procura tem deixado o mundo com mais petróleo do que aquilo que pode usar.

Outro grande problema é também sobre se podemos armazená-lo até que as medidas de contenção social sejam facilitadas o suficiente para gerar alguma procura adicional de produtos petrolíferos. A capacidade de armazenamento está a encher-se rapidamente e à medida que o tempo passa, é provável que baixe ainda mais os preços. Será preciso uma recuperação da procura para dar a volta ao mercado e isso dependerá da forma como a crise da saúde pública se desenrolar. Poderão ainda existir mais cortes na oferta à medida que os produtores do sector privado respondem aos preços baixos, mas é difícil ver que seja suficiente para ter um impacto fundamental no mercado.

Esta segunda-feira, dia 20 de abril, acabou também por ser um dia histórico para a cotação do preço do petróleo. O contrato de futuros do mês de maio do West Texas Intermediate (WTI), encerrou num valor negativo de -37,63 dólares por barril (depois de ter chegado a fixar-se em 40 dólares negativos), algo que nunca aconteceu anteriormente. Isto significa que o titular de uma posição de compra seria obrigado a pagar para tirar o contrato das suas mãos. A razão apontada para esta descida é precisamente o facto de não existir armazenamento suficiente, levando isto a que aqueles que o detêm, tenham de esvaziar os seus inventários para que o seu preço possa voltar, pelo menos, a dígitos positivos.

Os preços negativos dos contratos de futuros do petróleo bem como o baixo preço do barril – está a cotar nos 15 dólares por barril (valor mais baixo desde 1986) - são uma consequência do atual contexto que vivemos e poderá traduzir-se em preços cada vez mais baixos da gasolina sendo isso um ponto positivo para os consumidores mais atingidos por esta crise.

Comentários

Olá boa tarde... tenho uma dúvida. Onde é possível negociar esses CFD da WTI. Acredito tbm que muitos enriqueceram com a pequena alta de hoje. Se puder me explicar, agradeço, pois meu portfólio está centrado ainda nas criptomoedas. Abraços e Tmj.
Resposta
lucasocs nemesis-trader
Resposta
@lucasocs, certo. Em qual plataforma? MT4?
Resposta