Phillipcarret

Bradesco tenta anular fim da recuperação judicial da PDG

Viés de baixa
BMFBOVESPA:CVCB3   CVC BRASIL ON NM
Um novo desafio se impõe à recuperação judicial da construtora PDG . O banco Bradesco quer anular o encerramento da recuperação, determinado pela Justiça em outubro do ano passado.

Já sabe como funciona uma assessoria de investimentos? Fale com um especialista da Wise Investimentos.
As ações da construtora ( PDGR3 ) mais do que dobraram de preço logo após a decisão. Documentos aos quais o Monitor do Mercado teve acesso, no entanto, mostram que o caminho pode não ser tão simples para a construtora se reerguer.

O Bradesco pede que a sentença seja anulada e, como alternativa, caso o pedido não seja atendido, quer que a decisão se restrinja a obrigar a empresa a demonstrar que atingiu todos os requisitos dispostos na lei para sair da recuperação judicial.

O problema, de acordo com peça assinada pelo escritório OYA Advogados, em nome do banco, é que a decisão que determinou o fim da recuperação da PDG discorreu sobre incidentes de crédito que viessem a ser ajuizados após após o encerramento da recuperação. E essa seria uma atuação indevida, já que atinge ações que nem existem ainda e extrapola o pedido que havia sido feito pela construtora.

A Justiça deveria, então, "se limitar à verificação da situação que permite o encerramento da recuperação judicial e determinar as providências previstas", argumenta o banco.

"A competência do juízo da recuperação judicial restringe-se aos créditos sujeitos à recuperação judicial, permitido, na preservação do pagamento desses créditos, a serem regidos em plano de recuperação judicial, dizer sobre o acervo patrimonial das Recuperandas, mesmo em relação a pretensões formuladas em ações propostas por credores extraconcursais. Não lhe cabe, no entanto, atuar em relação aos créditos extraconcursais e nem regrar a forma de pagamento."

Procurada pelo Monitor do Mercado, a PDG não quis comentar o pedido do Bradesco.

Fim de um ciclo de 4 anos

Depois de quase quatro anos, a construtora PDG ( PDGR3 ) finalmente conseguiu aval da Justiça para sair da recuperação judicial. Em decisão de outubro do ano passado, o juiz João de Oliveira Rodrigues Filho declarou o encerramento do processo de recuperação.

De acordo com o juiz, sair do processo de recuperação judicial ajudará a empresa a cumprir seu plano para pagamento de credores, pois com isso conseguirá melhorar sua reputação “para obtenção de crédito e da confiança dos seus parceiros comerciais”.

Apesar do encerramento da recuperação judicial, as condições de pagamento previstas no plano de recuperação seguem válidas.

Assim, a PDG Realty deverá ter liberdade para acessar novas linhas de crédito sem comprometê-las com as dívidas adquiridas antes de ter entrado em recuperação, em 2017.

Na reta final da recuperação, no dia 8 de abril, a PDG passou por uma operação que chama a atenção: seu ex-CEO (diretor presidente) Vladimir Kundert Ranevsky comprou, através de um fundo, 56% da empresa, tornando-se seu acionista majoritário.

*Imagem: Divulgação/ PDG
Aviso legal

As informações e publicações não devem ser e não constituem conselhos ou recomendações financeiras, de investimento, de negociação ou de qualquer outro tipo, fornecidas ou endossadas pela TradingView. Leia mais em Termos de uso.